quarta-feira, 3 de junho de 2009

Há coisas que me chateiam

(Sim, 3 posts num dia, para compensar pela veia reprimida de há muitos anos...20 para ser mais exacta)

Uma coisa que me chateia profundamente: os comentários no site da blitz. A Blitz em si também não me cai muito bem para falar verdade, uma revista repetitiva, sempre a falar dos mesmos dinossauros e bandas de eleição lá dos produtorzecos ou sabe-se lá quem que as elegem e são AINDA MAIS tendenciosos que eu...o que é grave. Já para não falar que só 3 artigos por edição não são copiados da NME, e é só porque são de bandas portuguesas, senão também eram.

Mas falando dos fóruns em particular. Estava há pouco a navegar nos artigos deles no site sobre os pontos negros (quem mais??) e vi a entrada que falava deles no Alive este ano, juntamente com as dezenas de comenrários de posers desocupados que fazem questão de discutir o sexo dos anjos lá. Eu já referi aqui que até gosto do meu rótulozinho mas aquela gente é demais! O pior são mesmo as pessoas que escrevem para lá...

A sério se se querem armar em pseudo-intelectuais musicais, vão dar aulas para um conservatório. Não me venham cá com tretas posers de "uuh isso é demasiado comercial". Descobri nesta maravilhosa pocilga que os The Kooks são odiados por estes posers de chinelo. Óptimo, mais uma razão para gostar deles.

Uma das últimas notícias do site é: "ainda há bilhetes para os AC/DC!!!". OOOOhhh a sério?? Porque é que será...ah sim vamos ver, custam 60€ (baratinho baratinho) onde vais imaginar que eles lá estão à frente, vê-los vai ser difícil porque é no alvalade XXI. E há também outra componente, acredito que haja bastantes fãs jovens de AC/DC mas os tipos estavam na moda era no tempo dos meus progenitores e sinceramente aquela geração já não tem paciência para essas coisas. Uau blitz, sois extremamente perceptivos, não compreendo deveras tal fenómeno inaudito, uma vez que os fãs hardcore já compraram os bilhetes nas duas primeiras semanas para aí.

E ainda outro componente: para quê pagar 60€ para ver os AC/DC se fores um metaleiro quando no dia do metal no alive poderás ver muito mais bandas por 50€? Hum...

Adorei as críticas aos pontos negros como "limpinhos" e "musiquinha simples". Graças a Deus que são...nem eu gostava se fosse outra coisa, se quisesse heavy metal finlandês obscuro, procurava por isso. Não finjam que não gostam, não finjam que não ouvem, não finjam que nunca trautearam o "conto de fadas de Sintra a Lisboa" ou porque moram em Sintra ou em Lisboa ou porque estudam em Lisboa ou porque sim. Amei tambéma referência a "eles têm tido muita publicidade"...Já não saio à rua sem tropeçar num cartaz dos tipos, não vos acontece o mesmo?

Acho que esta gente toda que se faz de muito erudita e fantasticamente culta não distingue um fá dum lá nem boa de má música. Ouvem indie porque está na moda e é cool e criticam o que acham que não é. Cá para mim ouvem todos Tony Carreira quando estão no banhinho e vão com as mãezinhas aos concertos do Marco Paulo e até gostam.

Àqueles que vão dizer "Mia, tu também és assim!" aqui fica: gosto de deolinda com orgulho, de fado com humor, gosto de Destiny's Child para animar, gosto de algumas da Katy Perry, gosto de Hanson desde que sei escrever pelo amor da santa! Acho que a Missy Elliot é um génio porque faz beats fantásticos. Se gosto de hip hop no geral? Não costumo achar piada, embora goste muito dos Da Weasel. Acho que isto não faz com que eu tenha pior gosto musical, todos temos os nossos gostos como alguém me apontou no outro dia de forma muito inteligente quando eu estava a ser um pouco como estes totós...agora vejo a luz, obrigada a essa pessoa. Já fiz muitos estereótipos deste género, mas isso não faz de mim mais culta e sim mais obtusa e menos aberta a coisas novas e giras e divertidas.

Isto é para quem diz que eu nunca aprendo nada...

Obrigada às pessoas que têm a paciência de discutir comigo.

Mia

4 comentários:

Mário Barroso disse...

Concordo plenamente… a blitz é o degredo, bons eram os tempos em que aquilo era um jornal obscuro. Mas ainda assim eu às vezes compro a dita revista, a razão principal é que custa 2.50€ e não 10€ como a edição (importada) de uma outra qualquer revista decente. Pode-se sempre argumentar “mas podes sempre ver na net” e é verdade, mas a internet não traz uma lista organizada com os álbuns que vão sair nesse mês. Vamos ignorar que nessa mesma lista seja possível ver aberrações como um álbum da britney spears com 4 estrelas (em 5, claro). Mais uma vez o facto de custar 2.5€ por mês ajuda…
Quanto aos fóruns, confesso que há muito que deixei de lá ir, por diversas razões incluindo posts de pessoas que acham que a Ana Malhoa faz boa música e posts de snobs que acham que qualquer banda que seja referida numa revista é comercial, mesmo que essa menção seja uma linha no editorial. Enfim a generalidade (ênfase nesta palavra) das pessoas que lê a dita revista e que frequenta o fórum percebe tanto de música como eu percebo da política agrícola russa durante o século XVII. A blitz é hype porque é, supostamente, indie… epa se acham que escrever um artigo todos os meses sobre os U2 (eu até gosto deles, mas a cobertura dos media é desgastante, no mínimo) é indie, por mim tudo bem. Eu acho que não é por ter um artigo de 1 página sobre os White Stripes entalada entre 2 artigos gigantescos sobre os U2 e os Rolling Stones (mais uma vez, nada contra os stones) que se é indie… mas posso tar enganado.
Em relação à questão dos gostos acho que tem de se fazer uma distinção importante. Não é por se gostar de uma banda que ela é boa, o que não invalida que se goste dessa banda (dentro de certos limites). Passo a explicar melhor. Eu gosto (muito) de Green Day e do álbum American Idiot, no entanto a música é simplista e completamente main stream, o facto de eu gostar deles não me pode cegar ao ponto de eu achar que eles são grandes músicos. Por outro lado há coisas inaceitáveis, vejamos: Eu não posso achar que gostar de 50cent (por exemplo) é normal, nem posso achar a sua música boa. O dito senhor faz constantemente apologia à violência gratuita entre gangs, à desordem social e ao desrespeito pela autoridade, as mulheres são constantemente tratadas como objectos descartáveis e o grande objectivo de vida é “get rich or die trying” (enriquece ou morre a tentar)… e antes que se pense o contrario eu já ouvi os cds dele mais de uma vez (e vi os videoclips) para saber do que estou a falar. Este tipo particular de gostos não é compatível com pessoas que percebem de música nem que tem bom gosto musical. Eu posso admitir, com a maior das facilidades, que alem goste de Hanson (por exemplo, não sou fã, mas nada contra) e que tenha um excelente gosto musical (como a autora deste blog) mas, é impossível gostar-se de 50cent (mais uma vez, é um exemplo, como ele há centenas para não dizer milhares, e em todos os géneros musicais, não se pense que estou a criticar o hip-hop e o rap enquanto géneros musicais) e dizer-se que se tem bom gosto, ou que aquilo é boa musica. No entanto o importante é ouvir de tudo (quem diz ouvir, diz ler e ver), do bom e do mau, manter a cabeça aberta a tudo e no fim tirar as devidas conclusões, em vez de estereotipar à partida. A rotulagem intensiva, característica desta nossa sociedade, leva-nos apenas á mediocridade cultural. Todos temos o direito de errar, o importante é, como se diz no post original, ver a luz.

E agora vou dormir que amanha tenho de levantar o rabo cedo da cama para estudar história da farmácia XD

Becky e Shawy disse...

E deixar de falar mal do meu Tony Carreira han han ?

AC/DC foi a loucura !!! Concerto mesmo ao lado da faculdade, pelo menos tive muita companhia "encostadinha" no metro para casa :P eh eh

MATOS! disse...

Eu da blitz nao sei, nunca a li lol.

Mas de AC/DC posso dizer que, para já, o que é bom é intemporal, não escolhe gerações. AC/DC têm uma forma de atuar que não da para explicar, é mais que ver uma banda ao vivo...

Sim o preço dos bilhetes nao era apelativo, e tive de fazer umas poupanças, mas valeu a pena, foram 60 euros muuuiiiito bem gastos, até porque muito provavelmente não vão voltar cá...

Foi um concerto para recordar, espero eu, nos proximos 20 anos...

Portanto não sejas critica!!! Critica os nabos da blitz! Não os mestres do rock!

m_I_a disse...

pronto matos eu sei que toquei num ponto sensível com os AC/DC, e é claro que é uma banda de rock intemporal mas não acho que seja muita admiração que o alvalade XXI não tenha enchido. Os AC/DC são bons mas não iriam encher completamente algo assim, só uma coisa altamente massificada é que o faria (ex: madonna no parque da bela vista). Como vês, a crítica até tinha laivos de elogio :P

(safei-me bem né?:P)